ÁGORA


Área de discussão e debate de Filosofia e Educação
 
InícioInício  FAQFAQ  BuscarBuscar  Registrar-seRegistrar-se  MembrosMembros  GruposGrupos  Conectar-se  

Ver as mensagens sem resposta
 Fórum TópicosMensagens
Última Mensagem

Filosofia da Educação

 
Este Fórum está Bloqueado. Você não pode enviar, responder ou editar mensagens

Abertura do Fórum

A abertura deste Fórum com temas da filosofia da educação deve-se, evidentemente, ao reconhecimento de que a nossa época histórica e tudo o mais que envolve a nossa circunstância têm abalado as rotinas pedagógicas instaladas, a segurança das convicções adquiridas, e esse abalo foi levado ao extremo de não sabermos se a “escola”, no sentido que a tradição lhe conferiu de instituição onde se transmite o saber, pode sobreviver. Estamos diante da crise da escola, no interior duma crise mais vasta, que parece, por vezes, devorar na voragem as outras instituições que confinam com ela, lançando no desamparo os que participam no acontecer da educação, e revertendo o ser-com-os-outros no ser contra-os-outros, em que não pode já haver educação alguma.
Se a crise nos solicita a pensar a escola e a educação, ela contém também os perigos que ameaçam toda a tentativa do pensamento: a obveidade das ideologias políticas e das fugazes modas pedagógicas, que facilmente se impõem no tempo do desamparo que é o nosso. É necessário, por isso, sublinhar que pretendemos pensar a educação como questão filosófica, isto é, como questão que só pode ser desenvolvida se começarmos por reconhecer que chega até nós por força de uma antiquíssima tradição. Para lançar o debate, colocando-o naquele preciso carril, que nos pode assegurar a viagem frutuosa do pensamento, nada melhor do que reler o Padre Manuel Antunes e recordar o testemunho vivo que foi o seu ensino.

Moderadores: Gamelas, Moderadores
11Qua Fev 20, 2008 3:43 pm
Admin Seu primeiro tópico
Este Fórum está Bloqueado. Você não pode enviar, responder ou editar mensagens

Homenagem - Memórias do Padre Manuel Antunes

P. Manuel Antunes
 1918-1985
 
Entrei na Faculdade de Letras de Lisboa em 1966, para o curso de Filologia Românica. Nessa altura, a cadeira que mais temor provocava nos recém-chegados era «História da Cultura Clássica », a cargo do Padre Manuel Antunes, pela carga de erudição e conhecimento que implicava. As aulas teóricas da cadeira, sendo destinadas a todas as licenciaturas de Línguas e Literaturas, tinham de se realizar no Anfiteatro I, que enchia integralmente os quatrocentos lugares. Ele entrava, com uma figura pequena e franzina, e começava sem qualquer interrupção a sua matéria, que correspondia à ordem minuciosa e rígida de uma sebenta que se tornou um monumento ao saber da Antiguidade. O peso dessa matéria constrastava com a timidez as pessoa, que parecia não reparar naquela multidão que, durante hora e meia, ia enchendo de apontamentos os cadernos, mesmo que se soubesse que se podia encontrar tudo na sebenta. No entanto, podia haver sempre interpelações para enriquecer a matéria, e podia dar-se o caso de virem a sair nos testes e no exame. Lembro-me também da sua voz, que se impunha, mesmo saindo daquele corpo com hábito preto, que tinha uma austeridade que passámos a associar à posse do saber. No entanto, apesar de serem aulas que iam contra o que, hoje, se consideram ser todas as regras da comunicação, foi graças a esse homem que muitas gerações de estudantes ficaram a conhecer a filosofia e história antigas.A sua atitude reservada, que fazia com que se cruzasse connosco nos corredores como uma sombra, não permite que guarde dele recordações mais próximas, como sucede com outros professores da época; mas lembro-me de um brilho seco no seu rosto, quando falava, e da sua capacidade de dar vida ao que, nessa altura, nos parecia ser a mais árida das matérias.

Nuno Júdice
 
 
Homenagem-Memórias P. Manuel Antunes
 
Na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa,no Curso de Filosofia, o Padre Manuel Antunes foi um dos Professores que prendia os alunos pela sua erudição e discrição. O Anfiteatro enchia-se para as aulas de História de Cultura Clássica. Éramos imensos e o silêncio impunha-se, de tal modo os seus comentários aos grandes pensadores da Antiguidade eram inteligentes e as suas análises rigorosas, mas sem o peso da erudição fastidiosa. Era sua assistente a Professora Mª Leonor Buesco, parecia apagar-se na leccionação da disciplina, segura e meticulosa, obrigava-nos a cotejar os textos, com o imenso amor que por eles tinha.Lembro-me da minha prova oral, naquele tempo pomposa. Qual o meu espanto, ao ouvir a pergunta :« A Senhora sabe a história da Bela Adormecida?» A partir daí surgiu um interessante questionário, a que fui respondendo, entre a perplexidade e nervosismo, aos vários simbolismos presentes na história infantil, que nada de infantil apresenta na perspectiva de uma inteligente sensibilidade. Estudei, li obras, o assunto foi para mim inesperado, até hoje guardo a lembrança, deste tema. Só mais tarde, li sobre o assunto, com calma e muita curiosidade, só depois compreendi a profundidade das questões.Prosseguiu a oral a Drª Maria Leonor Buesco , coube-me em sorte a Ilíade, (XVIII) – O escudo de Aquiles, os primeiros versos pareciam não ter fim, tantas eram as minúcias a que deveria ter respondido.Aprendi muito nestas aulas, aprendi a amar a Cultura Clássica e a compreende a Filosofia Antiga. Nunca esqueci a complementariedade entre a História da Cultura e a Filosofia, ainda hoje cultivo nas minhas aulas este modo de ensinar filosofia, reflexo desta experiência de ter sido aluna do Professor Manuel Antunes, figura marcante em quantas gerações de estudantes da Faculdade de Letras e na Cultura portuguesa.
 
  Filomena Gamelas
 
 
Homenagem a um PROFESSOR

Pequeno, sereno, entrava no “palco” do anfiteatro 1, como se lá não estivesse ninguém. Começava a aula e se ouvia algum barulho quando citava, em grego latim ou alemão, ironizava: “pronunciei mal?” Abria frequentemente os braços e as mãos, como se fizesse, qual “ovo cósmico” “cindir em dois o belo e o brilhante”, tal como no mito órfico que evocava.
Por isso alguns lhe puseram a alcunha do “ovo cósmico”, analogia com a sua figura e o seu discurso, culto, fluente mas rigoroso e por vezes difícil para quem entra no mundo universitário pela primeira vez.
Guardo do Padre Antunes melhores recordações das conversas informais que mantive com ele, do que das horas de exame oral que me aterrorizavam. Ainda hoje não encontrei resposta para a pergunta: ”qual a fórmula da teoria das ideias no Fédon?”, única pergunta duma oral, a que, por mais que encontrasse respostas possíveis, nunca foi aquela que ele desejava. Claro... chumbei!
Encontrei-o no último ano em que deu aulas, voltei a ser sua aluna. Ainda brilhante, mas já muito diminuído fisicamente, espantou-me com a sua memória: “Que faz aqui? Esteve cá antes de 1966. Éramos muito exigentes nessa altura.” Lembrei-me logo da tal fórmula do Fédon...
Sei que quis ouvir ler passos de Nietzsche quando estava, para não sair mais, numa cama de hospital.
No dia em que morreu mandei encadernar a célebre “Sebenta” de História da Cultura Clássica. Foi o sinal da marca que me deixou. Foi a homenagem silenciosa que achei mais forte para lhe prestar.
Era um pequeno grande homem.
 
Maria do Carmo Themudo
 
 
Homenagem ao Padre Manuel Antunes
 
Do Padre Manuel Antunes guardo a imagem inesquecível da sua fortíssima presença nas aulas de Ontologia, num enorme anfiteatro meio vazio, donde estava ausente a multidão turbulenta das aulas de História da Cultura Clássica.
O Professor estava já muito debilitado fisicamente, e a sua figura frágil deslocava-se com alguma dificuldade junto às primeiras filas , em contraste com a vivacidade e a clareza luminosa do discurso  em que pacientemente ia dando vida aos pensadores pré-socráticos e, a partir deles, suscitando nos nossos  juvenis espíritos as inquietações quanto ao destino da Metafísica Ocidental.
O que nos impressionava era talvez a manifestação de confiança no juvenil auditório, que ele convocava a estar presente, sem paternalismo nem transigência , e a confrontar-se  com as questões mais difíceis e mais perigosas,  que tantas vezes o discurso pedagógico camufla e oculta, na sua afanosa preparação de exames e frequências.  O que impressionava era a universalidade e a tolerância, que sempre associei ao fortíssimo legado da sua formação clássica, mas que mais tarde comecei também a associar ao seu outro legado da grande tradição pedagógica dos Jesuítas. O que impressionava era ainda e sobretudo a grandeza luminosa do espírito, afirmando-se miraculosamente contra  a fragilidade dum corpo que caminhava inexoravelmente para a morte. O que impressiona, ainda hoje, é este testemunho vivo de imortalidade, que constitui   o facto de , no meio de uma tal crise da Escola, ser ainda a sua imagem e o seu pensamento que se nos impõem como legado e chamamento a uma missão, a que outros pretendem tirar todo o sentido.
 
Maria Adelaide Pacheco
 

Padre MANUEL ANTUNES
(1918 – 1985)
 
«Que se pretende fazer do homem? É esta pergunta que se propõe responder a filosofia da educação. É esta pergunta que nas épocas de crise - sobretudo, numa época de crise com as dimensões da nossa – se torna árduo e difícil responder.» Educação e Sociedade, ( Ed.Sampedro, 1975 )

00
Não há novas mensagens

Discussão

Moderadores: Gamelas, Moderadores
00
Tópicos ativos do dia
Top 20 dos postadores do dia
Top 20 dos postadores do fórum
Quem está conectado
Quem está conectadoOs nossos usuários postaram um total de 1 mensagem
Temos 3 usuários registrados
O último usuário registrado atende pelo nome de THEMUDO
1 usuário online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 1 Visitante
O recorde de usuários online foi de 11 em Seg Abr 21, 2014 3:39 pm

Usuários registrados : Nenhum
Legenda :   [Administrador ]   [ Moderador ]

Novas mensagensNovas mensagensNão há novas mensagensNão há novas mensagens  Fórum BloqueadoFórum Bloqueado